Capítulo 10

Capítulo 10 – VS Krookodile

     Não aguentava mais correr. Dobrou a esquina e continuou perseguindo o bandido. Faltava muito pouco e agora sim ele sabia que podia dar conta do criminoso. Muralhas se ergueram à sua frente. Era um beco sem saída. A oportunidade perfeita para ele capturar o delinquente. Seu tempo estava esgotando. Havia mais de dois dias que esta perseguição acontecia e agora, finalmente chegou o final. Riley finalmente poderia dar um basta à esta situação…
     Fechou os olhos por um momento, limpou o suor que cobria sua testa e continuou correndo. A luz já ficava pra trás e a escuridão, de repente tomou conta do lugar. Quanto mais ele corria, mais escuro o lugar ficava. Ouviu-se o ronronar de algum pokémon e a tampa de uma lata de lixo caindo no chão. Riley sabia que não estava sozinho e tinha que dar um basta nisso…

     O ladrão continuou fugindo, era possível ouvir seus pés arrastando no chão enquanto o mesmo corria. Estava ofegante. Dava pra ouvir há quilômetros. Mas Riley não. Ele ainda estava em condições de continuar correndo e de continuar nessa busca interminável…
     – Você não vai fugir por muito tempo!
     – É o que veremos!
     O ar de desafio tornou-se muito claro. Ele desafiava o detetive, que não aguentava mais aquela perseguição ardente. Ele tinha que fazer alguma coisa. Precisava. Era hora de botar pra quebrar…
     Jogou sua pokébola pra cima e de dentro dela surgiu um tirano crocodilo, dando um rugido feroz que ecoava pelos tijolos…

      – Krook! Dile!
      – Use o Hyper Beam!
      Uma esfera de luz quebrou as trevas ao redor, sendo disparada na forma de um raio contra o chão. A explosão era inevitável. A cortina de fumaça se estendeu enquanto as chamas queimavam a calçada. A enorme fogueira iluminava o lugar todo, mas nenhum rastro do terrível ladrão de pokémons. Riley falhou. Mais uma vez…



     – Poderia nos dar mais detalhes de como tudo aconteceu?
     – É claro… Bom, tudo começou quando eu e a Y resolvemos ter uma batalha de “treinamento”, só pra esquentar nossos pokémons…
     – Vai, Dratini! É hora da batalha!
     – Tini!

     Dratini ergueu-se, confiante. Esta era sua primeira batalha de treinador contra treinador desde que ele venceu o Magikarp do Matthew no concurso de capturas. Agora, ele estaria enfrentando um desafio de nível maior, muito maior.
     – Vai você, Gligar!
     – Gli! Gar!

     Gligar sai de sua pokébola com um ar de confiança, aparentando estar bem treinado e bem melhor depois daquele susto em Galatan City. Suas costas e asas já estavam cicatrizadas e seu nível bem mais elevado…
     Logo, os dois pokémons se posicionam na frente de seus treinadores e assim, a batalha “amadora” tem início…
     – Vamos, Gligar! Use o seu Hidden Power!
     – Gli! Gar!
     O pokémon voador voa alto e suas asas começam a brilhar, formando um “X” em sua frente. Esse “xis” se dissolve em micro-esferas de energia, que são disparadas com força total contra o pokémon dracônico.
     – Tini–
     Dratini leva todo o dano, mas o golpe não é muito efetivo…
     – Ah, é? Dratini, vamos nos vingar! Levante-se!
     – Dra! Tini!
     – Use o Iron Tail!
     A cauda de Dratini começa a “metalizar”, tornando-se tão dura quanto um diamante.
     – Vai!
     Dratini avança com tudo, pulando em cima de Gligar… Logo o dragãozinho usa sua cauda como um chicote metálico, golpeando o pokémon dragão com ela.
     – Gli!
     – Não desista, Gligar! Use o Swift!
      Já era possível ver uma pequena quantidade de pessoas se aproximando pra ver a batalha. No começo eram três. Depois, com o tempo, o número foi aumentando. Passou por seis, oito e agora varia entre vinte e trinta. Todos os espectadores, atentos a cada movimento, assistem a batalha admirados com a força dos pokémons…
     – Vai, Gligar! Use o Poison Sting!
     Gligar avança com tudo, disparando espinhos venenosos contra Dratini, O pokémon dragão se desvia, evitando a maioria dos espinhos, mas alguns o atingem, deixando envenenado…
    – Droga… Dratini, use o Dragon Rage e acabe com isso!
    – Tini!
    Dratini forma uma bola de fogo azul em frente à sua boca e logo dispara a esfera no formato de um raio, atingindo Gligar com tudo…
     – Gli–
     O pokémon voador começa a despencar do céu, quase inconsciente…
     – Gligar, não desista!
     Mas Gligar voa de volta, restando apenas alguns centímetros para ele atingir o chão, evitando assim, grandes danos.
     – Gli!
     – Vai, você consegue! Use o Guillotine!
     – Já vai apelar pelo “KO”? Tsc, tsc, que coisa feia! Dratini, vamos usar o Surf!
     – Tini!
     O pokémon começa a brilhar em um tom azul, e uma grande onda sob seus “pés”.
     – Pra cima dele!
     Dratini começa a surfar, mergulhando na onda,que avança rapidamente pra cima de Gligar, atingindo o pokémon em cheio.
     – Gli–
     – Termine com o Iron Tail!
     Dratini energiza sua cauda, transformando-a em ferro puro. Assim, ele dá uma “ferroada” na cabeça de Gligar, que cai no chão, esgotado…
     – Gli– @-@!
     – Yeah! Eu venci!
     –  É, mas só porque eu facilitei! Se eu tivesse usado o Froakie você nunca teria vencido!
     – Ah, é? Pois vai lá! Usa ele!
     – É o que eu vou fazer! Gligar, retorne, amigão! Froakie–
     – Krook!

     Krookodile surge no meio da multidão, interrompendo a luta. Sua pele toda esfolada e sua cara de preocupado intrigavam a todos os que estavam ali. O que aquele pokémon estava fazendo?

     – Ei, Krookodile! Use o Stone Edge!
     – Krook!
     Krookodile cria uma chuva de pedras, que é lançada para cima, atingindo um inimigo não muito longe, mas que tinha passado despercebido por todos…

    – Gyaaaar!
    – Gyarados? Krookodile:? Mas o que é que tá acontecendo aqui?
    – X? Vamos, me ajude a deter aquele “Rocket”! – Riley surge, rompendo a multidão e chamando mais a atenção ainda…
    – Rocket?
    Olhamos para cima e vimos um homem montado no Gyarados. Ele estava com um uniforme estranho, com um grande “R” marcado em seu peito. Vestia preto.
     Seus olhos brilhavam um tom de verde esmeralda, mostrando uma tremenda crueldade com sua expressão fria e amarga, enquanto o pokémon, enfurecido, voava de um lado para o outro, esperando o momento correto para atacar.

Imagem via Tumblr

     – Gyarados, Hyper Beam!
     O pokémon enfurecido abriu sua boca e disparou uma rajada de energia contra a multidão, que caiu, sofrendo o ataque…
     – Argh…
     – Y!
     Y foi atingida pelo ataque. Seu braço ficou com algumas queimaduras leves, mas só porque eram leves, não queria dizer que eu tinha que deixar essa passar. Eu precisava fazer algo. E fiz.
     – Dratini, acha que pode me ajudar aqui?
     Dratini balança a cabeça positivamente. Ordenei que ele usasse o Surf, que atingiu toda a multidão, apagando as chamas do ataque de Gyarados. Alguns tiveram a sorte de serem socorridos à tempo, outros estavam com muita dor e precisavam ser levados para o hospital.
     – Muito bem, Froakie! Vamos lá!
     – Froa!

     O pokémon-sapo saiu de sua pokébola estranhando toda aquela cena ao seu redor, mas continuou me obedecendo, lutando ao meu lado…
     – Froakie, use o Water Gun no Gyarados!
     Apontei para o pokémon, que logo recebeu um jato de água fria, desestabilizando e despencando do céu…
     – Gyarados!
     O homem voou de cima do Gyarados, e quanto estava prestes a grudar a cara no chão, uma mão amiga lhe ajudou. Krookodile segura o homem, impedindo que a queda fosse fatal.
     – Gyaa…
     Gyarados, pelo contrário, cai no chão e se machuca todo, mas logo levanta a cabeça e volta a batalhar…
     – Gyarados! Ataque todos com o seu Twister!
     – Groooar!
     O pokémon começa a girar em torno de si mesmo, formando um redemoinho de vento muito poderoso. A briza ao seu redor começa a faiscar, concentrando toda a energia do tipo dragão naquele tornado…
     – Krookodile, use o Sandstorm!
     – Krook!
     O pokémon-crocodilo tenta atacar, mas o golpe lhe atinge antes. Como resultado o homem é arremessado longe, escapando dos braços de Krookodile…
     – Hahahahah! Agora vocês nunca mais me pegam!
     – Froakie, agora!
     O pokémon cuspiu um jato de água nos pés do homem misterioso, que caiu no chão, dando de cara na calçada…
     – Riley, o que tá acontecendo?
     – Ele é um criminoso (e agora percebo que é um terrorista), e daqui não passa!
     – Vamos, Gyarados! Use o Hydro Pump!
     Gyarados cuspe uma rajada de água que atinge Froakie com tudo, sendo dez vezes mais forte que o Water Gun do pokémon… Com isso, o meu pokémon inicial é empurrado pra cima de Dratini e consequentemente, cai em cima de Y, que estava machucada, no chão.
    – Froa–
    – Froakie, não!
    Riley então pula na minha frente e ordena seu Krookodile a atacar…
    – Krook!
    O pokémon então se mexe, e dispara uma rajada energética nas cores vermelho e branco contra o pokémon voador, que leva todo o dano, caindo derrotado em cima de seu treinador, o homem misterioso vestindo preto…
     – Gya– @-@!
     – É, conseguimos!
     – Krook!
     Riley comemora, mas não vejo graça nenhuma em comemorar por ter pego um ladrão depois de tudo isso o que ele fez. A maioria das pessoas ali ao redor se machucou com o Hyper Beam de Gyarados e não pode se levantar. Outras fugiram, e gritaria era total. Algumas partes do asfalto ainda ardiam em chamas e as pessoas estavam horrorizadas com tudo aquilo.
     – Já faz uma semana que eu corro atrás de você, mas dessa você não escapa! Sandstorm!
     Krookodile forma um redemoinho de areia, que joga o homem e seu Gyarados para cima.
     – Aaahh!
     – Vamos, você está preso! Se resistir (mais ainda), será pior pra você! Acredite!
     – T-tudo bem, eu me rendo…

     Acalmei quando ouvi o som da ambulância. As pessoas começaram a ser levadas para o hospital. Me senti enjoado com tanto correria. Y estava se sentindo melhor, mas seu braço ainda doía.
     – Calma, Y! Tudo vai ficar bem… Eu espero…
     – Muito obrigado, X… Você ajudou a capturar aquele desgraçado! Merece toda a minha gratidão!
     – Eu só fiz o que tinha de faz–

     De repente, senti meu coração rodopiar. Os lábios da Y encontraram os meus. Minha pele ficou arrepiada, era como se uma corrente elétrica tivesse percorrido o meu corpo inteiro, da cabeça à sola dos pés.
     Aquele beijo quente e doce mudou totalmente o clima ao meu redor. Esqueci de todas aquelas pessoas, de todo aquele desastre e voltei a beijar a garota, mas desta vez, eu investi contra ela, dando o melhor de mim, saboreando aquela boquinha linda que me fascinava…

     – Gostei dessa gratidão. Por mim você poderia ficar grata pra sempre!
     – Ah, quê isso, bobinho! Se bem que… Pode rolar, né?
     – Isso é o que nó vamos descobrir.
     – Desculpa interromper o clima entre os dois pombinhos, mas a festinha acabou! É hora de irmos para o hospital!
     – Riley?
     – Não, não, a Fantina! É claro que sou eu! Esperava quem ma–  – Riley perdeu a fala e desmaiou bem ali na nossa frente. Entramos na ambulância e fomos os três pra o hospital. Essa foi minha última recordação daquele lugar.

     – Muito bem, senhor “Ekss”… O senhor está liberado!
     – Muito obrigado, seu delegado!
     Saí da delegacia ainda horrorizado com tudo o que estava acontecendo… Atravessei a rua e cheguei ao grande Hospital (para humanos/pokémons) que tomava conta do quarteirão inteiro…

Passei pela grande entrada, passei pela recepção e subi até o quarto… Fui falar com Y, que se recuperava lentamente, ainda em observação…

      – Eu estou bem, não se preocupe. Vá ver como está o Riley!
      – Calma, está tudo bem com ele. O Riley teve só um desmaio por “fome”. Ele passou tanto tempo atrás do bandido que se esqueceu de cuidar dele mesmo…
      – X… Você… Acha que eu beijo bem?
      – O que é isso, Y? Estamos no meio de uma desgraça e você vem me perguntar logo isso?
      – É que…
      – É, você beija sim.
      – Bom, eu… você… Você beija bem também.
      – Posso provar mais um pouquinho?
      – Não, só se você quiser namorar comigo.
      – Uma menina convidando um menino  para namorar? É estranho, mas eu vou aceitar, benzinho. Você é tudo pra mim…
     Nos beijamos de novo. Tentei esquecer de todas as minhas preocupações no momento e relaxei. Precisava manter a calma e a postura.
      Cara, nem dava pra acreditar. A menina que eu gosto está namorando comigo. Isso nunca tinha acontecido comigo. Eu geralmente era rejeitado por todos, mas desta vez foi diferente. Eu tinha a Y e ela me tinha… Estávamos em perfeita conexão, um lindo casal apaixonado. Embora fossemos tão bonitinhos, a cena era trágica, nada romântica, do tipo “nada a ver”, mas lá estávamos, namorando em um hospital…
     – X, posso te perguntar uma coisa?
     – Sim?
     – Você quer ser uma detetive, não é mesmo?
     – É…
     – Então vamos juntos atrás dessa tal “Equipe Rocket”?
     – O que? Mas isso é assunto pros federais!
     – Ah, por favor, amour! Este clima tenso me deixa eu tão… inspirada!
     – Tá, mas vamos apenas ajudar o Riley com as investigações, não vamos nos meter em encrenca! Você sabe que você tem um talento natural para parar em cima de uma cama de hospital, não pode andar em confusões como essa!
     – Talento natural? Acho que é de nascença! É, talvez não devêssemos nos meter em tantas enrascadas, mas por favor, eu… Eu gosto de “adrenalina”…
     – Mas, Y…
     – Ah, por favor?
     Não pude me segurar. Ao ver aquela carinha triste, me derreti todo. Eu tinha que aceitar esse pedido, por mais maluco que fosse…
     – Tudo bem…
     – X, sabe de uma coisa?
     – O que?
     Je t’aime!

     Aquela foi a declaração de amor mais profunda de toda a minha vida. Y me amava. Eu podia sentir isso só olhando pros olhos dela. Não precisava nem ela me dizer, dava pra notar. Seu jeitinho meigo e doce me deixava cada vez mais caidinho por ela e isso era o suficiente para me fazer beijá-la de novo…

     No outro dia, no Centro Pokémon, tomávamos uma boa xícara de chocolate quente no capricho enquanto o jornal da manhã passava na TV. Era impossível não notar o tumulto envolvendo o ataque do Rocket e seu Gyarados contra os inocentes…
     – Riley, o detetive teen mais famoso do momento continua resolvendo o caso, com muita atenção. Riley, uma palavrinha para nós?
     – Bom, está tudo muito confuso. A Equipe Rocket até então estava muito focada nas regiões de Kanto, Johto e depois migrou para Unova. Estou com receio de que ela esteja migrando para Parisia também.
     – “E aquele garoto, o tal ‘X’ ?
     – “Eu conheci o X faz ponto tempo e… Hum… Bom, ele me ajudou a pegar aquele bandido e ajudou a controlar as chamas do Hyper Beam que atingiu a multidão.
     – Droga…
     – Não se martiriza, X! Já passou!
     – Mas aquele bandido vai sofrer! Ele precisa pagar pelo que ele fez!
     – Ele já foi preso! Não tem mais o que fazer!
     – Droga, droga, droga… Se eu tivesse agido a tempo ele não teria atacado as pessoas!
     – Mas X, o Riley que é o Riley tava atrás dele havia muito tempo! Você não ia conseguir detê-lo!
     – Mas eu… Eu devia…
     – Lembra o que eu perguntei ontem lá no hospital?
     – Ah…
     – Pois então? Vamos atrás do “Rocket’s”! Vamos destruir essa organização e acabar com essa violência toda!
     – Tamo junto!

     E assim, selamos nosso pacto com um longo beijo. A partir dali, nossa principal meta não era ganhar mais insígnias, nós tínhamos que deter aqueles bandidos que poderiam estar “migrando” para Parisia, como fizeram em Johto e em Unova. Nós tínhamos que começar a seguir os seus rastros, nós tínhamos que por nosso plano em ação… Era essa a chance de eu me tornar um detetive conhecido e eu não podia desperdiçar…

Continua…
Anúncios

3 comentários sobre “Capítulo 10

  1. Você disse nas “Notas do Autor” que só o começo estava bom,pare de mentir MULEQUE!,ta brincadeiras a parte ficou muito,mais muito legal,primeiro começamos com um ar de suspense e intriga,com uma perseguição no minimo digna de um Oscar,e depois Dratini versos o Gligar,que foi muito foda,to adorando o Dratini,daqui a pouco vai passar meu pokémon favorito da fik,Fennkin(SQN,forever Fennekin, ele é muito foda!).Depois no meio da batalha uma confusão e do modo que descreveu foi como se estivesse vendo um anime ou um filme,parecia que estava vendo a cena e não lendo,Kadu ficou demais esta parte!Depois vem o beijo,esperava por isso mais tarde,mas vejo que este casal vai ser o mais foda da aliança!(Mais do que Blue e Green,mas se bem que Red e Yellow são tão foda quanto X e Y),e os dois começam a namorar em um hospital!(épico!),e a parte que X fala que ela tem aptidão para parar em hospitais(kkkkkk #risos#eternos)E por fim com um grande final e desfecho X e Y vão formar uma dupla para acabar com os Rocktes(Le eu dançando de emoção),ficou muito legal!,meu favorito até agora!

  2. Eu não esperava essa reação, porque eu realmente não gostei muito do capítulo, sabe… Não faz o meu estilo, mas de agora em diante eu vou continuar seguindo este estilo, pelo menos até o começo do “X Chapter”.É, eu não sei muito bem como fazer um casal porque não tenho tanta experiência nessa área (infelizmente), mas em todo caso, vou tentar fazer com que a Y e o X sejam muito, muito ligados e muito, muito fofinhos! 😀

  3. […] Capítulo 6: VS Gligar Capítulo 7: VS Hariyama Capítulo 8: VS Dratini Capítulo 9: VS Magikarp Capítulo 10: VS Krookodile Capítulo 11: VS Pancham Capítulo 12: VS Fletchling Capítulo 13: VS Helioptile […]

Por Favor, não xinguem, não briguem, respeitem a opinião dos outros e façam somente críticas construtivas - #Kevin_

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s